Jornal de Peruibe
  Home   |   Praias   |   Estradas   |   Tempo   
  Menu de Navegação
  » O Jornal de Peruibe
» Edição Atual
  » Próxima Edição
  » Conheça Peruíbe
  » Assine o Jornal
» Anuncie Conosco
  » Condição das Praias
  » Tráfego nas Estradas
  » Previsão do Tempo
  » Contate-nos

Conheça Peruíbe

Proibida a reprodução total ou parcial do texto ou fotos sem autorização escrita - direitos reservados para Alberto Talauskas/Jornal de Peruíbe.

PERUÍBE, MEIO SÉCULO DE HISTÓRIA

Clique aqui para ver todas as fotos »

Vista aérea da orla da praia
Vista aérea da orla da praia

Localizada no litoral sul do Estado de São Paulo, Peruíbe fica a 137 km da Capital paulista podendo ser atingida pelo complexo rodoviário Anchieta-Imigrantes e rodovias Pedro Taques e Padre Manoel da Nóbrega totalmente duplicada ou ainda pelas rodovias Régis Bittencourt (BR-116) e Padre Manoel da Nóbrega, trajeto este que tem 172 km partindo de São Paulo. Sua altitude média é de 5,88 metros, a temperatura média é de 25° e possui clima temperado.

Tem uma população fixa que ultrapassa os 57 mil habitantes (dados estimativos do IBGE para 2009) e nos picos do verão, como no reveillon, chega a atingir mais de 300 mil pessoas, distribuídos por seus 326 km² de território, sendo 97 km² de área urbana. Ao longo de seus 32 km de praias, distribuem-se diversos balneários de elevado padrão de construção que tem como característica marcante uma arquitetura predominantemente horizontal, com pouco mais de 10 edifícios de porte em toda a sua área urbana.

Fazendo limite com os municípios de Itanhaém, Itariri, Pedro de Toledo, Iguape e o Oceano Atlântico, Peruíbe tem em seu território o morro de Peruíbe, a serra de Itatins e grande número de rios piscosos como o Branco, Guaraú e o Preto, sendo que às margens deste último estão localizadas as jazidas da Lama Negra medicinal e da água polimineral sulfurosa utilizadas no tratamento de doenças reumáticas e dermatológicas.

Com uma vegetação predominantemente do tipo encontrada em toda a Mata Atlântica e que reúne uma enorme variedade de grandes árvores – como o jacarandá, o jequitibá e o ipê – e de plantas que se apóiam em troncos como as orquídeas e as bromélias, Peruíbe tem também áreas de cerrados – mais para o interior e de manguesais, no litoral.

Algumas ilhas completam a paisagem da região, sendo que a mais famosa é a ilha da Queimada Grande, localizada a 35 km do litoral – podendo ser avistada da praia em dias claros, e que abriga a temida cobra hermafrodita jararaca ilhoa, sendo considerada um dos maiores serpentários naturais do mundo. As outras ilhas são a da Queimada Pequena – muito procurada para a pesca submarina, a do Guaraú – excelente para pescarias, a Grande – onde ancoravam as naus que faziam o tráfico de indígenas no século XVI, a Boquete e Guararetama.

HISTÓRIAS E LENDAS

Ruínas do Abarebebê
Ruínas do Abarebebê

A história de Peruíbe esteve intimamente ligada à Capitânia de São Vicente e aos nomes de Martin Afonso de Souza, do Padre Leonardo Nunes – o Abarebebê (assim chamado pelos índios porque aparecia em muitos lugares e dava a impressão de estar em toda parte, como se fosse voador) e do Padre José de Anchieta. São esses colonizadores que dão início ao povoado em 1530, construindo depois a Igreja de São João Batista, da qual restam hoje as conhecidas “Ruínas do Abarebebê”, localizadas em uma pequena elevação próxima a praia no balneário do Convento Velho.

Peruíbe é traduzido por “Rio do Cação” segundo tupinólogos, existindo também registros de que Anchieta teria denominado a região como “Tapirema do Peru”, criando um nome híbrido.

A antiga aldeia desenvolveu-se até 1563 quando um levante dos índios ameaça liquidar toda a obra dos catequistas no litoral paulista, obrigando Anchieta, primeiro a transferir seu reduto para o fim da praia de Tapirema (que se estendia da atual divisa com Itanhaém até as proximidades do Arpoador), para em 1565 deixar para sempre a região. A aldeia aos poucos vai decaindo, voltando a se desenvolver no início do século com uma colônia de pescadores. Na década de 20 com a chegada da ferrovia e o início da abertura das estradas para o litoral sul na década de 50, aumenta rapidamente sua atividade imobiliária e comercial. Em 18 de fevereiro de 1959 é elevada a categoria de município e em 1974 é reconhecida como estância balneária.

Segundo seguidores do esoterismo, Peruíbe apresenta características comparáveis às de algumas regiões da Índia e do Peru por diversas semelhanças geográficas e também é muito freqüentada por ufólogos em razão de inúmeros casos de relatos de óvnis e seres extra-terrestres relatados por antigos habitantes da região, realizando anualmente um evento que atrai estudiosos de todo o país.

HISTÓRIA POLÍTICA

O desmembramento de Peruíbe do município de Itanhaém, foi autorizado pela Lei n° 5121, de 31 de dezembro de 1958 e referendado pela Lei 5285, de 18 de fevereiro de 1959, sendo que no plebiscito realizado em 24 de dezembro de 1958 a votação pela autonomia e desmembramento foi vitoriosa por unanimidade dos votantes.

Os líderes da Emancipação Político-Administrativa de Peruíbe foram Geraldo Russomano e João Bechir, que contaram com a retaguarda de apoio de nomes como os do deputado Athiê Jorge Coury, deputado Padre Calazans, Dr. Nelson Guimarães de Barros, Dr. José Ataliba Leonel, Aurélio Ferrara, Monsenhor Francisco Lino dos Passos, Erasmo Pinheiro Ribas, Bernardino Ataulo, Albano Ferreira, Oswaldo Linardi, Hermínio Cidade Varela, Décio Chaves Luna, Nicolau Presti, Antonio Saez Martinez, Benedito Marcondes Sodré e Pedro Sabino.

O Executivo e o Legislativo Peruibense foram compostos pelos seguintes nomes desde a sua Emancipação até hoje, lembrando que nossa Câmara Municipal começou com 9 vereadores, em 1989 passou a contar com 15 e em 2005 reduziu esse número para 10 em razão de decisão do TSE: 1° de janeiro de1960 à 31 de dezembro de 1963 – Prefeito – Geraldo Russomano; Vice-Prefeito – Albano Ferreira; Vereadores – Adolpho Hanashiro, Affonso Morsh, Aléssio Lacerda, Benedito Marcondes Sodré, Bernardino Ataulo, Décio Chaves Luna, João Bechir, Noel Antonio Rosa e Pedro Sabino; Período de 1° de janeiro de 1964 à 31 de dezembro de 1967 – Prefeito – Albano Ferreira; Vice-Prefeito – Benedito Marcondes Sodré; Vereadores – Alfredo Fortino, Antonio dos Santos Alves, Antonio Jacques, João Bechir, José dos Santos, Luiz Caruso, Oswaldo Linardi, Pedro Almengo e Pedro Sabino; Período de 1° de janeiro de 1968 à 31 de dezembro de 1971 – Prefeito – George Popescu; Vice Prefeito – Nicolau Cucki Filho; Vereadores – Aléssio Lacerda, Alfredo Fortino, Armando Prado, Geraldo Prado, Geraldo Russomano, Josefa Francisco do Nascimento, Luiz Caruso, Nélson de Lima e Oswaldo Linardi; Período de 1° de janeiro de 1972 à 31 de dezembro de 1976 – Prefeito – Benedito Marcondes Sodré; Vice-Prefeito – Aléssio Lacerda; Vereadores – Alcides Donadelli, Antonio dos Santos Alves, Décio Lacerda, Luiz Biller Filho, Mário Rossi, Nélson de Lima, Nicolau Cucki Filho, Oswaldo Linardi e Ronald Gomes Soares; Período de 1° de janeiro de 1977 à 31 de dezembro de 1982 – Prefeito – George Popescu; Vice-Prefeito – Ronald Gomes Soares; Vereadores – Antonio Godinho Monteiro, Dalmar Americano da Costa, Eduardo Monteiro da Silva, Elvio Della Bernardina Filho, Ildo Inocêncio, José Antônio de Góes, Waldemar Telles de Aguiar, Wilma Carmen Castan; Período de 1° de janeiro de 1983 à 31 de dezembro de 1988 – Prefeito – Benedito Marcondes Sodré; Vice-Prefeito – Wilma Carmen Castan; Vereadores – Benigno Caetano dos Santos, Cícero Rodrigues da Silva, Ildo Inocêncio, Joaquim Antônio do Val, José Antonio de Góes, Marcos Enzel Wizentier, Milton dos Santos, Oswaldo Linardi, Roberto Gaiofatto, Rosalino Alves e Sérgio José Ferreira; Período de 1° de janeiro de 1989 à 31 de dezembro de 1992 – Prefeito – Mário Omuro; Vice-Prefeito – Francisco Puccio Greco; Vereadores – Benedito Carlos Liberto, Eduardo Monteiro Ribas, Euclides Kunio Fujita, Jairo Costa, José Augusto Pires, José Carlos Rubia de Barros, José Ignácio Monte Oliva Filho, Manoel Fernando Victória Alves, Marcos Enzel Wizentier, Nelson de Castro Moura, Raldes de Almeida Pereira, Roberto Gaiofatto, Rosalino Alves, Ruy Noburo Taga (Bóia), Wilma Carmen Castan; Período de 1° de janeiro de 1993 à 31 de dezembro de 1996 – Prefeito – Benedito Marcondes Sodré; Vice-Prefeito – José Carlos Rubia de Barros – Vereadores – Anielo Pernice Neto, Carlos Luiz Rúbio, Célio Rodrigues Soares, Cícero Rodrigues, Davi da Silva Maia Neto, Eduardo Monteiro Ribas, Elias Abdalla Neto, Gheorge Popescu, Isabel Assako Kobayashi, Manoel Fernando Victória Alves, Marcos Enzel Wizentier, Milton dos Santos,Nelson de Castro Moura, Nivaldo Vieira Pereira (Bahia) e Sérgio Martins Guerreiro; Período de 1° de janeiro de 1997 à 31 de dezembro de 2000 – Prefeito – Alberto Sanches Gomes; Vice-Prefeito – Elias Abdalla Neto; Vereadores – Alekssander Veiga Mingroni (Kiko), Ana Maria Mesquita, André Sebastião Gonçalves, Anielo Pernice Neto, Apolônia Torubia Muller, Cícero Rodrigues da Silva, Davi da Silva Maia Neto, Eli da Silva, Ildo Inocêncio, Lenaldo Xavier, Manoel Reis Guedes, Milton dos Santos, Nelson de Castro Moura, Oswaldo Kabbach Prigenzi  e Roberto Gaiofatto; Período de 1° de janeiro de 2001 à 31 de dezembro de 2004 – Prefeito – Gilson Bargieri; Vice-Prefeito – José Carlos Rubia de Barros; Vereadores – Anielo Pernice Neto, Antonio Francisco Ricardo (Toninho do Frango), Carlos Luiz Rúbio, Cícero Rodrigues da silva, Davi da Silva Maia Neto, Eduardo Roberto Riggo (Duda), José Ernesto Lessa Maragni Jr. (Zeca), José Pedro Gomes de Oliveira, Manoel Reis Guedes, Maria Onira Betioli Contel, Milton dos Santos, Nelson Gonçalves Pinto, Oswaldo Kabbach Prigenzi, Roberto Gaiofatto e Rubens Rodrigues Gomes Jr.; Período de 1° de janeiro de 2005 à 31 de dezembro de 2008 – Prefeito – José Roberto Preto; Vice-Prefeito – Julieta Fujinami Omuro (com a morte do prefeito José Roberto Preto  a vice prefeita Julieta Fujinami Omuro assumiu o cargo pelo restante do mandato); Vereadores – Alex Pereira de Matos, Antonio Carlos Bianchi da Silva (ao assumir a Secretaria de Saúde assumiu sua vaga o vereador Nivaldo Vieira Pereira (Bahia) , Antonio Francisco Ricardo, Hertes de França, José Ernesto Lessa Maragni Jr., José Pedro Gomes de Oliveira, Manoel Reis Guedes, Maria Onira Betioli Contel, Mário Omuro e Nelson Gonçalves Pinto; 1º de janeiro de 2009 à 31 de dezembro de 2012 – Prefeito Milena Xisto Bargieri Migliaresi; Vice-prefeito – Nelson Gonçalves Pinto; Vereadores – Adenilson Alves Pereira (Nilsão), Anielo Pernice Neto, Antonio Franscisco Ricardo (Toninho do Frango), Dr. Cezar Kabbach Prigenzi, Emer Elias Abou Jaoude, Hertes de França, José Pedro Gomes de Oliveira, Manoel Reis Guedes, Maria Onira Betioli Contel, Nivaldo Vieira Pereira (Bahia).

NOSSO HINO

Composto pelo maestro Gomes Cardim, o Hino de Peruíbe tem a seguinte letra:

Peruíbe, Peruíbe, Peruíbe
Encanto e beleza varonil
Peruíbe, Peruíbe, Peruíbe
Orgulho e grandeza do Brasil

Verde mar e a praia empolgante
Cercada só de flores e jardins
Tem a guarda na muralha do gigante
Do imponente e majestoso Itatins

Com o céu mais lindo e mais azul
Coberto de estrelas rutilantes
Invejada no Brasil de norte a sul
Berço heróico de bravos Bandeirantes

Na história lendária do passado
O seu nome viverá em glórias mil
Como espelho ficará perpetuado
No coração grandioso do Brasil


ATRAÇÕES TURÍSTICAS

Prainha e parte da Península
Prainha e parte da Península

Em virtude de seu excelente clima, Peruíbe foi conhecida por muito tempo como a “Terra da Eterna Juventude”. Como não poderia deixar de ser, seus 32 km de litoral são o maior atrativo em razão da existência de belas praias com os menores índices de poluição do litoral paulista.

Dentre elas destacam-se as praias do Centro; do Canto ou Costão situada na margem direita do rio  Preto com sua famosa ducha natural; Desertinha ou do Índio localizada entre o Costão e a Prainha, esta também conhecida como Península com acesso pela estrada do Guaraú; da Barata encrustrada entre as pedras do Costão do Guaraú; praia do Guaraú no bairro do mesmo nome e local onde o traficante de índios Pero Côrrea instalou-se há quase 500 anos; Guarauzinho localizada na margem direita do rio Guaraú com seus trinta-réis, biguás, mergulhões e gaivotas é o início da Estação Ecológica; Baleia entre as encostas do Guarauzinho e Arpoador e que leva esse nome em razão do mar ter arremessado uma enorme baleia em suas pedras há quase um século conforme contam os mais antigos; Arpoador (não confundir com o bairro do mesmo nome na zona urbana) também está dentro da Estação; Parnapoa que ainda tem algumas famílias de caiçaras residindo no local; Brava que conforme o nome diz é excelente para a prática do surf; Juquiazinho onde num riacho são vistos bandos de garças brancas e vermelhas; Preta com cerca de 50 metros de extensão; Caramborê já próxima ao Una com duas corredeiras e finalmente a praia do Una com uma vila de pescadores caiçaras junto ao rio Una do Prelado ou rio Comprido que marca a  divisa de Peruíbe com Iguape.

Mas nem só de praias vive Peruíbe. Diversos passeios podem ser feitos, destacando-se as vistas da cidade do alto da torre de televisão localizada no Bairro dos Prados ou do morro de Peruíbe, a visão do oceano e das praias de alguns trechos da estrada do Guaraú, o rio Guaraú, as cachoeiras do rio do Ouro, Guanhanhã e das Antas, as corredeiras do Perequê e do Paraíso, esta com seu tobogã e piscinas naturais, ou ainda as Ruínas do Abarebebê, o Mercado de Pesca, o portinho dos pescadores artesanais na foz do rio Preto, as Feiras de Artesanato da Praça Ambrósio Baldim (Redonda) e da Praça das Artes Albano Ferreira (Flórida), o boulevard do centro da cidade com seus calçadões, o Portal da Cidade erguido pela Associação Comercial e o Portal Juréia-Itatins na entrada da estrada do Guaraú, a orla da praia totalmente reurbanizada, a avenida Padre Anchieta quase totalmente reurbanizada o balneário da Lma Negra e o Aquário.. Empresas de turismo locais tem roteiros que levam à esses locais em ônibus adaptados, vans ou jipes.

Algumas festas realizadas na cidade atraem grande número de turistas e veranistas como o reveillon na praia com queima de fogos em diversos locais, desfile de blocos no Carnaval, o bolo de aniversário da cidade com o mesmo número de metros ao de anos comemorados, os jogos do Dia do Trabalho, a Festa de São João, Procissão de Corpus Christi com decoração de ruas, desfile da Independência, diversas etapas de torneios de surf e outras.

Outra grande atração do município é a sua Banda Musical Infanto-Juvenil diversas vezes campeã estadual e nacional, formada por mais de 100 jovens de 8 à 21 anos de idade e que se apresenta em diversos eventos da cidade.

Vista panorâmica do morro de Peruíbe
Vista panorâmica do morro de Peruíbe

INFRA-ESTRUTURA

Peruíbe é considerada uma das cidades com melhor infra-estrutura do litoral sul paulista, contando com uma grande rede de hotéis e pousadas, variados tipos de restaurantes, lanchonetes, sorveterias, quiosques a beira mar, áreas para camping, alguns pesque-pague e diversas colônias de férias.

No tocante ao abastecimento de gêneros alimentícios, Peruíbe também tem um excelente nível de estabelecimentos na área de supermercados (com lojas abertas 24 horas no período da temporada de verão), açougues, peixarias, padarias, adegas, farmácias, pet shoppings e feiras-livres.

O setor comercial é bastante variado com inúmeras lojas de móveis, eletro-eletrônicos, artesanato, moda praia, calçados, confecções, artigos para praia e revendas das principais montadoras. Existem 4 mini-sjoppings localizados no centro e no bairro da Estação. Outros setores com muitas opções são o de materiais para construção e o de imobiliárias.

Possui um ginásio poli-esportivo municipal, campos de futebol, quadras esportivas, e quadras de aluguel para futebol society e tênis. Conta também com uma pista para ultra-leves, cinema, boliche e pista de skate.

Na área de saúde, Peruíbe tem um Pronto Socorro Municipal, clínicas médicas particulares com diversas especialidades, clínicas odontológicas, postos de saúde municipais nos bairros e laboratórios de análises clínicas.

Nos transportes, uma empresa urbana faz a ligação entre os bairros, centro e zona rural, três empresas intermunicipais ligam Peruíbe à São Paulo, Osasco, Litoral Sul, Vale do Ribeira, Santos e São Vicente e duas empresas interestaduais fazem a ligação com o sul do país.

A segurança pública conta com duas Delegacias de Polícia, uma Delegacia da Mulher, uma Companhia da Polícia Militar, um destacamento de Polícia Militar Ambiental, posto de salvamento dos Bombeiros, Corpo de Bombeiros e Departamento de Defesa Social Municipal.    

A cidade conta também com agência dos Correios, escritório da Sabesp, seis agências bancárias e alguns caixas 24 horas. Possui diversas entidades como a Associação Comercial e Empresarial, Associação de Engenheiros e Arquitetos, Associação de Estudantes, sub-seção da OAB, delegacia do CRECI, delegacia do CREA, Associação Protetora de Animais, Associação de Portadores de Deficiências Físicas, APAE, CAPI, Alcoólicos Anônimos, Rotary Clube, Lions Clube, lojas maçônicas, um sindicato de funcionários municipais, Liga de Entidades Esportivas  e inúmeras entidades assistenciais.

Na área de comunicações possui dois jornais quinzenais e três mensais, uma rádio FM aberta, uma rádio FM comunitária regularizada e três canais de televisão locais a cabo.

JURÉIA-ITATINS

Cachoeira do Paraíso e seu tobogã natural
Cachoeira do Paraíso e seu tobogã natural

O complexo ecológico Juréia-Itatins, com cerca de 80 mil hectares – a quarta maior área de conservação do Estado de São Paulo – está localizada nos municípios de Peruíbe, Itariri, Miracatu e Iguape, mas somente através de Peruíbe é possível se chegar por terra a este verdadeiro paraíso natural.

Ali, estão abrigados diversos animais ameaçados de extinção como o macaco-prego, o monocarvoeiro, a onça pintada, a anta, a jacutinga, a jaguatirica e o tucano de bico preto, constituindo-se num rico patrimônio genético a ser conservado.

A história da presença humana na Juréia remonta à pré-história conforme atestam diversos sambaquis e ali também se encontra o primeiro caminho aberto em território brasileiro que ligava São Vicente à Cananéia, conhecido como Correio do Imperador, mais tarde denominado Caminho do Telégrafo, da qual ainda restam inúmeros postes enferrujados da primeira linha telegráfica do país, construída no segundo império

Na Estação Ecológica estão o Núcleo Itinguçu (18 km do centro de Peruíbe) onde fica localizada a Cachoeira do Paraíso com diversas quedas d’água e piscinas naturais e a Vila Barra do Una (25 km do centro) com serviços de acampamento particulares e alimentação.

Foi nesse verdadeiro santuário ecológico que se pretendeu construir as usinas nucleares de Iguape que formariam um complexo de seis usinas junto com as usinas de Angra I e II.

Por tratar-se de uma área de preservação ambiental com diversas restrições de utilização, é conveniente aos visitantes informarem-se junto a sede administrativa da Estação Ecológica Juréia-Itatins sobre essas restrições pelo telefone 13 3457-9243 ou e-mail eeji@uol.com.br.

Clique aqui para ver todas as fotos »

Proibida a reprodução total ou parcial do texto ou fotos sem autorização escrita - direitos reservados para Alberto Talauskas/Jornal de Peruíbe.

 Home   |   Praias   |   Estradas   |   Tempo   

Copyright © 2003 - Direitos Reservados

Internet Explorer 6 - 800 x 600 Pixels - High Color

development: gTAL designer